top of page
Search

A política do massacre


A sociedade brasileira é configurada com um modelo policial fracassado, que deixa dezenas de mortos todos os anos nas operações de extermínio e segregação.


Ilustração sobre a chacina do Jacarezinho. Cristiano Siqueira/Reprodução Instagram @crisvector



8 horas de operação, 29 pessoas baleadas e 28 mortes. Esses números marcaram a chacina realizada na última quinta-feira, dia 6 de maio de 2021, na favela do Jacarezinho (RJ), que é considerada a principal base do Comando Vermelho – facção criminosa. A operação policial, batizada de “Exceptis”, é retratada como o 2ª maior fuzilamento do Rio de Janeiro, registrando o maior número de mortes em uma única ação, sendo inferior apenas ao da Baixada Fluminense em 2005.


No massacre efetuado, as polícias Civil e Militar atuaram com a desculpa de acabar com o tráfico presente na comunidade e investigar a entrada de crianças e adolescentes no crime. A justificativa da operação era cumprir 21 mandados de prisão. Porém 27 civis – residentes do bairro e pessoas que estavam perto do local – e 1 policial foram mortos durante a carnificina e tiveram somente 6 mandados cumpridos. Além disso, os moradores do Jacarezinho sofreram agressões e tiveram suas casas invadidas. Eles também relatam que os falecidos foram executados a sangue frio.


O Alto Comissariado da ONU (Organização das Nações Unidas) para Direitos Humanos deu sua declaração sobre o acontecimento e criticou a violência do movimento no estado. "Estamos profundamente perturbados pelas mortes de 25 pessoas numa operação policial", diz Ruppert Colville, porta-voz da ONU, na coletiva de imprensa no dia seguinte, após a repercussão das mortes. A ONU reconhece a presença de ações criminosas dentro das favelas, "mas a forma de lidar com isso é com responsabilidade por parte das autoridades para garantir que a população civil, mulheres e crianças não sejam afetados", disse o porta-voz. Colville também solicitou a abertura de investigações imparciais. "Pedimos que o Ministério Público realize uma investigação imparcial, completa e independente sobre o caso, seguindo os padrões internacionais", disse ele.


A medida liminar imposta pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que está em vigor desde junho de 2020, suspende operações policiais nas favelas durante a pandemia da Covid-19. No entanto, a essa resolução podem se isentar meramente hipóteses excepcionais, como ações que tenham de cumprir mandados de prisão. Contudo, a aplicação e os motivos dessas exceções devem ser comunicados à Promotoria. Nesse caso não houve nenhum aviso. De qualquer forma, a resolução temporária nunca se fez valer.


Ronaldo Oliveira, delegado e subsecretário operacional da Polícia Civil, falou em um depoimento: “Deixo bem claro aqui que a Polícia Civil não age por emoção. Antes que surja alguma dúvida, para fazer uma operação dessa, há muito planejamento e seguimos muitos protocolos...”. Esse morticínio foi muito bem planejado sim, mas com uma intenção clara de extermínio. Levando em conta que, o combate aconteceu após uma reunião do presidente do Brasil, junto ao comandante do Gabinete de Segurança Institucional, Marcelo Bertolucci, e com o novo governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro. O delegado chega até dizer um absurdo: que as organizações ativistas impendem a atuação da polícia, e, até mesmo, as responsabilizam pela morte do policial, no decorrer da ação.


A maneira como o Ministério Público se esquiva do que aconteceu, reflete no entendimento da sociedade, que vê tais condutas como inteligentes e resolutórias, quando na verdade são execuções. Também é importante lembrar que o Brasil não tem pena de morte, e mesmo se tivesse, não é o agente da polícia quem a executa. A guerra não é contra a delinquência, mas sim contra a população pobre e marginalizada. Ademais, o uso descomunal da força nessas práticas deve ser usado exclusivamente como último instrumento, sendo aplicada “apenas em casos em que há ameaça iminente a vida ou de um sério perigo", alerta a representação dos Direitos Humanos da ONU.


Leandro Fortes, jornalista e escritor, afirma em uma entrevista para a Rede TVT que essa guerra contra as drogas serve unicamente para alimentar a corrupção e assassinar. Pois não sana as dificuldades de proteção e nem controla a entrada de drogas e armas. Assim, beneficiando apenas os verdadeiros bandidos, que são aqueles que realizam o fornecimento.


A revista Ocas” não apoia e nem compactua com o crime, pelo contrário. Posiciona-se criticamente ao abuso de poder, na discriminação e no massacre pela parte das Polícias e do Estado. Mas, principalmente, é contra essa lógica que visa eliminar os pobres e pretos e vê-los somente como seres marginalizados. Com certeza a criminalidade deve ser interrompida, mas com medidas e políticas de segurança pública, aliada ao respeito aos Direitos Humanos, além da reformulação do modelo de policiamento. Pois, as condições como são desempenhadas tais operações as tornam letais e desorganizadas, colocando em risco a vida dos moradores e deixando sequelas irreparáveis.


Luto e solidariedade aos falecidos e as suas famílias.




MELYSSA MARÇULO (Estudante de Comunicação e Redatora)

50 views2 comments

Recent Posts

See All

2 komentáře


Edgar Agar
Edgar Agar
24. 1. 2022

😀

To se mi líbí

Optimum of the hurt attention in opposition to yesterday's decline towards the Carolina Panthers was upon Mekhi Becton who was carted off the marketplace. Whilst we await definitive term, some of Becton's first assessments have been reportedly supporting. Lamarcus Joyner still left the sport inside of the initially fifty percent Shaq Lawson Jersey. His lack was felt as his substitute Sheldrick Redwine was the basic perpetrator inside of Sam Darnold's touchdown move in direction of Robby Anderson. The information for Joyner is not Terrific. It appears to be the elbow hurt he experienced may perhaps be a time ender for each Ian Rapoport. Lamarcus Joyner, who exited the activity with an elbow destruction, endured an very clear torn tend…


To se mi líbí
bottom of page